A dura vida de um analista de campo

A dura vida de um analista de campo

Por Rafael Arcanjo | Em 21.02.08 | Categoria: Carreira

Quando alguém entra na faculdade com o intuito de fazer uma graduação em TI[bb], talvez não tenha idéia ainda do ramo que quer seguir. Na época que eu entrei, estava exatamente assim: sabia exatamente que gostaria de fazer algo relacionado à computadores, sem saber ainda qual área da tecnologia eu gostaria de ingressar. Felizmente, opções não faltariam:

  • Podia ser um DBA[bb] e passar a carreira otimizando os dados das empresas no SGBDs[bb] mais importantes do mercado, como Oracle[bb] e Microsoft SQL Server[bb].
  • Podia ser um programador e ficar horas na frente de uma tela com muitos códigos a serem escritos ou escovados.
  • Podia ser um Gerente de Projetos[bb] e seguir à frente de equipes gerenciando os recursos com meu título de PMP[bb].
  • Podia ser quase tudo.

Como já é de conhecimento, a área de informática tem muita coisa pra se fazer e especializar, e todas elas dependem de muito estudo. E pra falar a verdade, eu já fui um pouquinho de cada uma destas coisas, pois quem trabalha em uma empresa média/pequena com informática sabe que não dá pra fazer apenas uma tarefa, precisa vestir a camisa do super-homem e se virar pra voar.

Mas agora, a tal vida de analista de campo é dose! Porque ? Porque você junta todas estas habilidades citadas acima e multiplica por 2. Sim, porque você terá que, além de tudo, lidar com cliente como se fosse um vendedor, pois você estará representando o produto da sua empresa. Queira ou não, é assim.

Eu, meio que por acaso, acabei caindo nesta vida de analista de campo. Comecei na vida digital como estagiário em suporte de um provedor de internet (até hoje não contei a história aqui, porém tarde mas não falhará), depois como técnico de infra em uma empresa partner Microsoft[bb], depois como analista (não na carteira, claro) em uma empresa prestadora de serviço para uma siderúrgica e por fim, como analista de campo (ou analista de negócios ou analista de suporte em campo).

Bom, e o que diferencia o analista de suporte do analista de campo ? Como o nome já diz, o analista de campo vai ao cliente, onde quer que ele esteja. E é aí que entra uma das grandes desvantagens: Trabalhar viajando.

Como sempre, você me questiona: Tá louco ? Trabalhar viajando deve ser o maior barato. Daria tudo para trabalhar em um local onde eu fique viajando, conheça várias cidades, várias pessoas.

Bom, vamos por partes então. Porque eu digo que é uma desvantagem (ou melhor, existem mais desvantagens que vantagens)?

Na estrada o bicho pega!
Na estrada, à noite, o bicho pega!

Trabalhar viajando é ruim pelo fato de que você nunca sabe onde estará na semana que vem. Sendo assim, você não pode se programar pra nada com uma semana de antecedência. E se você se programar, já sabendo que na semana que vem estará em um cliente na mesma região que a sua, esta agenda pode mudar. E outra: para chegar no cliente, você precisará se deslocar de alguma forma, seja carro ou ônibus (avião é só para casos extremos e empresas maiores). O tempo que você perde neste percurso é muito grande, o que atrapalha o seu desempenho e praticamente mata dois dias da sua agenda, um da ida e outro da volta, mesmo que o percurso seja perto, você chega cansado de dirigir ou ficar encolhido na cadeira do ônibus, chegando no cliente todo amarrotado e quase com vontade de já voltar.

Sem contar que, neste ponto de viagens, quem trabalha ganhando por hora tem um prejuízo muito grande, principalmente se for de ônibus.

Conhecer várias cidades ? Relativo. Você conhece no máximo a empresa e o hotel em que tu fica. Pensa comigo: você trabalha de 8 as 18 no cliente, quando não precisa fazer hora extra. Depois, mais 30 minutos para chegar e se acomodar no hotel, tomar um banho. Depois, você terá que fazer tudo que não pôde fazer durante o dia, que é responder emails, fazer o relatório de atividades, etc. Nisto, quando você vê já é quase 21:30. Para quem tem atividades complementares, como eu (blogueiro), quando se assusta o relógio já bateu nas 23:30. Que horas você queria conhecer a cidade ? Não, balada não rola, visto que o trabalho no outro dia vai ser puxado. É, esquece, da próxima vez você conhece a cidade.

Fazer amizade com várias pessoas também é relativo. O que acontece é que você encontra com gente que você não tem certeza se vai ver de novo, talvez pra sempre. É muito perecível, não dá tempo de se fazer um amigo. Você realmente conhece muitas pessoas, porém, praticamente convive com ela naquele tempo e na próxima semana já tem uma leva de novos seres humanos para gravar o nome. Para quem tem a memória ruim como a minha, é um prato cheio pra não conseguir apegar. Porém, a grande vantagem é o contato que pode render. Já que não rende amizade, pode render contatos profissionais muito valiosos, que irão lhe ajudar em caso de uma possível troca de emprego no futuro.

A parte boa da história é que você aprende MUITO. Esta história de cada semana em um local você aprende a cultura de várias empresas, como tem empresa bem organizada, mal organizada, chefe gente boa, gerente mal-humorado. E isto faz você ter que desenvolver um jogo de cintura fora do comum, o que tornará você uma pessoa mais maleável para tratar as situações do dia-a-dia empresarial.

Outra vantagem é que nem sempre você sabe tudo, porém é OBRIGADO a correr atrás pra aprender e, na maioria das vezes, ainda ensinar, tendo que tendo que aprimorar seu jogo de cintura mais uma vez.

Estes são apenas alguns fatores que influenciam na carreira do Analista de Campo. Espero que este artigo sirva como uma pequena ajuda para quem está tentando se decidir sobre o que seguir em TI.

Abraços a todos.

Tags: , , , , , , , ,


Apaixonado por tecnologia, Cruzeirense e Nerd. Trabalha com TI há mais de 12 anos, porém ficou fascinado com computadores bem mais cedo quando viu o que aparentemente era um 286 rodando um joguinho de corrida via disquete de 5 1/4.

« »

1.539 Comentários

  1. Thiago Luiz Torquato

    Sem falar que assumir um compromisso mais duradouro, como uma nova graduação, é quase impossível. Eu trabalho com suporte, mas em lugar fixo, prestando assistência local e remota, e jamais preciso viajar… Mas tem colegas da faculdade que as vezes viajam por uma semana, então quando passam é aos trancos e barrancos…

  2. Rafael Arcanjo

    Thiago,

    Sabia que eu estava esquecendo alguma coisa. Taí mais um ponto negativo ! Acabou que no calor da escrita, deixei de lado este (importante) detalhe. Não sei como, porque eu também estou nesta briga de fazer uma pós e não poder por causa do trabalho nômade. E fazer por fazer não é comigo.

    Obrigado pela consideração.

  3. Fabiana

    Eu sei bem das dificuldades de ter uma vida “nômade” e olha que eu só me dividia entre duas cidades, rio-jf e já era pra lá de complicado.
    Tanto que pelos anos que trabalhei em Juiz de Fora, pouco conheço da cidade, tamanha a falta de tempo que tinha.
    Eu, sinceramente, não sinto mais nenhuma falta dessa fase. :)

  4. Rafael Arcanjo

    Fabi,

    Eu acho que quando eu sair, também não sentirei falta. Mas ainda não tenho a grana que tu tem pra poder viver só de blogs agora :P

    Hehehehehehe

    Obrigado pela sua visita :)

  5. prof.vaz

    […] Fazer amizade com várias pessoas também é relativo. O que acontece é que você encontra com gente que você não tem certeza se vai ver de novo, talvez pra sempre […]

    A sensação de solidão que este post me passou é assustadora! Só por causa disso, vou clicar mais vezes quando topar contigo no gtalk!

    Ainda bem que no final, sempre tem o retorno ao lar.

  6. Neto Cury

    Sensacional este tipo de artigo, fosse bom se todos fizessem igual e explanassem seu trabalho de forma tão completa como você fez, incluindo as partes boas e ruins!
    Abração

  7. Helton Kuhnen

    Cara, fiquei com angústia aqui só de ler teu post! Eu que faço sistemas de informação quase acontece o mesmo, tantos caminhos a seguir e agente fica confuso! =/

    Agora com os blogs, rede, etc. ficou mais estável… mas pelo contrário, iria ser analista de testes, ou seja, STRESS³³³

    abraço e boa sorte nas viagens! :D

  8. Regina

    Como dizia Seu Madruga, o trabalho é bom, o ruim é ter que trabalhar. Mas dê graças a Deus, pelo emprego, e o mais importante é pela experiência… ganha pro resto da vida! Um abraço!

  9. Voltaremos à era dos MainFrames ?

    […] com a internet ? E olha que isto não é tão incomum assim aqui no Brasil. Quem trabalha viajando como eu sabe o que estou […]

  10. José Ricardo

    Quanto a fazer amizade, é muito relativo, hoje as pessoas estão tão individualistas que fica difícil fazer amizades até com quem você vê diariamente, o importante, no meu caso, é fazer a minha parte, tentar me relacionar bem com todos…

  11. Carlos Eduardo

    Respeito sua opinião em relação a questão de várias viagens a trabalho, mas eu vou ser sincero contigo, eu adoraria ter uma oportunidade de trabalho assim, vc pode me dar dicas de onde ou como eu consigo uma oportunidade de trabalho para ficar viajando? No mais, agradeço a sua atenção e te desejo sucesso…

  12. Rafael Arcanjo

    José Ricardo,

    Isto é verdade. Mas com jeitinho e simpatia a gente consegue o respeito e amizade dos colegas. Mesmo que não se torne amigo no sentido real da palavra, mas que pelo menos torne o ambiente menos mecânico e mais humano.

    Carlos Eduardo,

    Eu adorei no começo, depois em cansei. Mas isto vai de cada um. Eu sempre fui criado muito caseiro, então acho que influecia um pouco. Sobre dicas, eu sugiro que procure algo em alguma consultoria de sistemas, principalmente ERP. Provavelmente terão clientes fora de sua cidade e poderá viajar um bocado.

    Obrigado aos dois pela visita.

  13. breno cesar da silva mendes

    eu gostaria de saber como eu posso arumar um serviço para trabalhar viajando tenho muita disponibilidade

  14. breno cesar da silva mendes
  15. Leonardo Araújo dos Santos

    boa tarde. Cai neste blog por acaso, pois estava vendo sobre analista de campo para mapeamento de ruas para GPS. Eu gosto de viajar, enfim.

    Seus relatos foi tão sinceros que me fez me colocar no seu lugar e, mesmo sentado na hora que estava digitando, teve horas de sentir o cansaço que você tem. Parabéns e abraço.

    Quando for viajar a descanso e lazer ou entretenimento e resolver ir para Caldas Novas, GO – entre em contato que tenho apartamentos de temporada com ótimos valores. Faça sua cotação.

    Leonardo – (64) 9214-1632
    e-mail: gazak@terra.com.br

  16. […] como consultor de sistemas, preciso trabalhar viajando. Muitas das vezes em locais bem distantes (como agora, […]

Deixe uma resposta

Utilize o formulário abaixo para deixar uma resposta no Arcanjo.org. Os campos marcados com asterisco são obrigatórios.

Você deve estar logado para postar um comentário.